domingo, 17 de outubro de 2010

CAVALGAR


No silêncio da noite naveguei
No dorso das lembranças cavalguei
Deixando-me levar pelo trotar
Do meu cavalo, sob a luz do luar.

Pelos prados cavalgava na matina
Feliz, revi meus sonhos de menina
Cabelos esvoaçados pelo vento
Sentia-me livre naquele momento.

Galopando chegava à ribanceira
Sob a sombra da velha catingueira
Desnudando para mim o horizonte
Com a mesma beleza de uma fonte.

Sinto saudades das minhas raízes
Com os suaves tons dos seus matizes
Onde o tempo jamais apagará
Na memória pra sempre ficará.

Neneca Barbosa
João Pessoa, 17/10/2010

sábado, 9 de outubro de 2010

GRANDEZA DO AMOR


O amor é tal qual um rio caudaloso
Que vai serpenteando por entre os vales
Da nascente ao mar fica volumoso
Destruindo na trajetória os males.

O amor vence cada conflito da alma
Até desembocar no grande oceano
A grandeza da sua essência acalma
O universo interior do ser humano.

O amor é como um belo roseiral
Dentro dele jorra a fonte da Vida
Dando as suas rosas um toque especial.

O amor é como um pássaro voando
Capaz de enfrentar a cada investida
Que na sua caminhada vai encontrando.


Neneca Barbosa
João Pessoa, 08/10/2010

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

ABRINDO A PORTA


Abri a porta para um velho andarilho
Cansado pelas procelas da vida
No rosto já não se via mais brilho
Queimado do sol, pedindo guarida.

Senti grande emoção naquele instante
De poder estender a minha mão
No céu vi uma estrela flamejante
Dando boas vindas àquele irmão.

Compreendi que a vida é generosa
E que novas portas poderei abrir
O segredo é como o florir da rosa.

Revi belos sonhos de liberdade
Que nas asas da poesia vou construir
Com versos de amor e felicidade.

Neneca Barbosa
João Pessoa, 01/10/2010