sexta-feira, 10 de junho de 2011

JANELA DO CORAÇÂO



Debruçada na sacada, fito o firmamento
A saudade invade meu ser naquele momento
O sol já brilhava no céu com intensidade
Cobrindo o jardim com a sua luminosidade.

Vejo as rosas em multicores desabrochando
Nelas, abelhas, beija-flores se alimentando
Sinto o florescer da Vida de cada estação
Abro sorrindo a janela do meu coração.

Deixo a luz me invadir, para afastar a tristeza
Na vidraça da minha alma faço uma limpeza
Mergulho nos meus sonhos, doce companhia!
Faculto-me ao prazer de tê-los na travessia.

Quero cultivar o amor em forma de canção
Na jornada como aprendiz vou espalhar o pão
Seguir a estrela guia que me conduz à esperança
De continuar a caminhada com segurança.

Neneca Barbosa,
João Pessoa, 10/06/2011

2 comentários:

M@ria disse...

As vezes ouço passar o vento;
e só de ouvir o vento passar,
vale a pena ter nascido.

Fernando Pessoa

Feliz Semana e beijos meus! M@ria

Rubens disse...

oi...amiga mais uma vez quero
parabenizar pelas lindas mensagens
que nos presenteias,um abraço carinhoso