terça-feira, 4 de agosto de 2009

PAI! SAUDADES...


A saudade bateu no meu peito
Quando me encontrava ainda no leito
Recordando o bom tempo de criança
Pai, você me dava segurança.

Nos seus braços me aconchegava
Na certeza que a paz encontrava
Pulsava forte meu coração
Que felicidade! Que emoção!

Severo quando era necessário
Disciplinando seu relicário
Era de grande afetividade
Também de muita sinceridade.

Lembro daquelas manhãs formosas
No pensamento imagens saudosas
Beber leite puro no curral
Das aves o canto matinal..

Saudade do lindo carneirinho
Que conseguiu deixar bem mansinho
Servindo pra minha montaria
No pátio andava com alegria.

Quantas lembranças querido Pai
Nestes momentos a mente abstrai
Seu rico legado permanece
O amor que dedicou não adormece.

Neneca Barbosa
João Pessoa, 04/08/09

Um comentário:

Rubens POETA disse...

É bom recordar os entes queridos que se foram,mas a danada da saudade nos entristece,linda poesia,um beijo