domingo, 16 de agosto de 2009

TEMPESTADE


Céu escuro, nuvens carregadas
Raios, trovões, forte claridade
Vão rasgando da noite o véu
Anunciando uma tempestade
Labaredas em escarcéu.

O vento com assobio forte
Como a cantar uma canção
Afasta pra longe os fantasmas
Numa verdadeira missão
Varrendo todos os miasmas.

A chuva com vitalidade
Faz brotar na terra a semente
Sendo renovada a esperança
Da Humanidade carente
De muito amor e segurança.

São as forças da Natureza
Regidas pela lei divina
Deixando preciosas lições
De humildade e disciplina
Não fugindo das expiações.

Neneca Barbosa
João Pessoa, 16/08/09

Um comentário:

Rubens POETA disse...

Depois da tempestade vem a bonança
diz o ditado,bela poesia um beijo